DHTML Menu, (c)2004 Apycom

INDICAÇÕES PARA APLICAÇÃO DE TELHAS CERÂMICAS

  Considerações sobre características das telhas cerâmicas
  Inclinação
  Preparação do ripado
  Cálculo do afastamento entre ripas
  Assentamento das telhas
  Ventilação adequada
  Argamassas para fixação de pontos singulares
  Execução de cumeeiras e rincões
  Execução de beirais e beirados
  Aplicação de caleiras e rufos
  Manutenção dos telhados
  Diferença de tonalidades

CONSIDERAÇÕES SOBRE CARACTERÍSTICAS DAS TELHAS CERÂMICAS
As telhas cerâmicas devem apresentar um bom conjunto de características no que respeita a resistência mecânica à flexão, durabilidade, impermeabilidade e conforto térmico. Para além destas qualidades é também necessário que sejam de fácil colocação em obra.

RESISTÊNCIA
A resistência mecânica das telhas é de vital importância, já que sobre elas se podem ter que deslocar pessoas para a execução de eventuais trabalhos de reparação ou manutenção. Por esta razão, a telha Margon apresenta dos mais elevados valores de resistência à flexão.

DURABILIDADE
A durabilidade das telhas apresenta-se também como da maior importância, já que estas vão estar expostas directamente às intempéries, sem qualquer tipo de protecção. Também devemos ter em conta que a água da chuvas e o ar saturado de humidade podem trazer consigo sais dissolvidos que, ao atacarem quimicamente o material, podem provocar, ainda que lentamente, a respectiva desagregação, facto a ter especialmente em conta nas zonas próximas da beira mar. A durabilidade das telhas pode também ser afectada pela acção do gelo, pois, como se sabe, da transformação da água em gelo resulta um aumento de volume na ordem dos 9%. Esta expansão, quando ocorre na água absorvida pelas telhas e em condições desfavoráveis de ventilação, pode causar danos no seu corpo. Portanto, caso ocorra uma acentuada descida de temperatura, para valores negativos, sem que a água que satura os poros da telha tenha tido tempo e condições para se evaporar, pelo menos parcialmente, o corpo cerâmico ficará sujeito a esforços internos que poderão ocasionar rupturas sob a forma de lascas (vulgarmente designadas por "descasque"). Daí a razão da porosidade reduzida que obtemos com a cozedura da telha Margon a temperaturas muito elevadas, já que assim se dificulta este tipo de acção.

IMPERMEABILIDADE
Uma das propriedades fundamentais das telhas é a sua impermeabilidade. É no entanto necessário ter em conta que a face inferior das telhas deve ser convenientemente ventilada, de forma a evitar condensações e a permitir a sua secagem. As telhas devem ainda ser aplicadas em vertentes com uma inclinação tal que permita contrariar a acção combinada do vento e da chuva, dependendo essa inclinação da altitude onde se localiza a construção e da exposição ao vento da sua cobertura, mas que não deverá, em caso algum, ser inferior a 30%.

CONFORTO TÉRMINO
Sendo também bastante importante o isolamento térmico, tanto na perspectiva de conforto habitacional como numa perspectiva de poupação energética, afigura-se por isso relevante o comportamento dos materiais escolhidos para a cobertura. Neste sentido, os ensaios realizados em instituições especializadas conferem à telha cerâmica os melhores resultados quando comparada com outros tipos de materiais usados em coberturas, com a mesma finalidade.

MUITO IMPORTANTE: Para um bom comportamento das telhas cerâmicas em obra, subentendendo-se a verificação das características atrás descritas, torna-se imprescindível a execução dos telhados de acordo com as nossas "Indicações para Aplicação de Telhas Cerâmicas", as quais descrevemos a seguir. Note-se que na execução de certos trabalhos mais singulares, necessários em algumas coberturas, mas não previstos nas nossas indicações, devem sempre seguir-se as boas práticas de construção para a aplicação deste material, e em caso de dúvida consultar os nossos serviços técnicos.

1. INCLINAÇÃO
A inclinação das pendentes é de fundamental importância para o bom comportamento das telhas no que diz respeito ao escoamento da água das chuvas. Por outro lado, uma maior inclinação facilita o fluxo de ar necessário a uma mais rápida secagem das telhas após períodos de chuva. Para as situações verificadas no território nacional, que se dividiu em três Zonas Climáticas (I, II e III), as percentagens mínimas de inclinação que recomendamos para telhados, tendo em vista dificultar a passagem de água para o interior da cobertura, mesmo quando empurrada pelo vento, são as constantes da tabela que se segue.

Para situações de média exposição ao vento, não referidas na tabela, deverão utilizar-se também os valores médios das percentagens indicadas para as respectivas Zonas Climáticas.

2. PREPARAÇÃO DO RIPADO
Existem diversas soluções para suportar as telhas, como também são vários os materiais utilizados. É importante a ponderação sobre o tipo de suporte a usar, uma vez que este irá influir na durabilidade das telhas. A sua eficácia está directamente relacionada com a inclinação pretendida, sendo certo que quanto menor a inclinação, maior a necessidade de arejamento da face interior da cobertura. Dentro das soluções possíveis, resumimos as mais correntes:

ESTRUTURAS DESCONTÍNUAS, utilizadas sobretudo em sótãos não habitados, ou pequenos pavilhões. As soluções mais correntes de suporte são os perfis em madeira ou pré-moldados em betão armado, para a construção do ripado e varas. Na figura (2), exemplifica-se a utilização de muretes (que substituem as asnas) paralelos ao beirado, para suporte das varas.

ESTRUTURAS CONTÍNUAS, uma das soluções mais comuns (fig. 3) passa pelo ripado simples (em argamassa de cimento, com uma altura mínima de 5 cm) que deve ser interrompido regularmente, por forma a facilitar a ventilação interior. Outra solução corrente (fig. 4) consiste no ripado sobrelevado, através da aplicação de contra-ripa (esta, com uma altura mínima de 2,5 cm), em perfil pré-esforçado. Esta solução é a mais aconselhada para este tipo de estrutura uma vez que facilita sobremaneira um adequado arejamento interior. Note-se que este arejamento, em qualquer das situações adoptadas, deve ser sempre complementado com telhas de ventilação.

3. CÁLCULO DO AFASTAMENTO ENTRE RIPAS
O afastamento entre ripas deve ser determinado com base nas telhas destinadas à cobertura, procedendo da seguinte forma:

a) Retirar das paletes 12 telhas ao acaso. Numa área plana montar, com elas devidamente encaixadas, uma fiada longitudinal fazendo com que as telhas fiquem o mais "estendidas" possível. Medir a distância máxima B (em cm) entre a 1ª e a 12ª telha, tal como mostra a figura.

b) Em seguida encurtar o mais possível a montagem das telhas e efectuar, entre os mesmos pontos, uma nova medida b (em cm).

c) Quando a amplitude do encaixe posterior das telhas é pequena, o afastamento entre ripas (A) é dado pela fórmula:
Quando a referida amplitude de encaixe é grande, o afastamento entre ripas é dado pela fórmula:

Quando a referida amplitude de encaixe é grande, o afastamento entre ripas é dado pela fórmula:

d) Este afastamento deve ser marcado rigorosamente, nos dois extremos laterais da vertente, usando uma fita métrica aplicada em toda a sua extensão e seguindo a linha de maior inclinação, ou seja, perpendicularmente à linha definida pelo beirado. Após esta operação e com a ajuda de um fio de marcar estendido entre cada dois pontos opostos, situados ao mesmo nível nos extremos da vertente, marca-se, sucessivamente, toda a cobertura, devendo a ripa seguir obrigatoriamente, em cada nível, o alinhamento definido pela marcação já executada.

4. ASSENTAMENTO DAS TELHAS
Para se conseguir uma colocação correcta e harmoniosa das telhas, deve iniciar-se o seu assentamento junto à linha de beiral, paralelamente a esta e após verificação das equidistâncias e alinhamentos dos apoios, começando-se pela esquerda ou pela direita, conforme o sentido do encaixe lateral da telha a usar, de modo a que a telha seguinte recubra o encaixe da anteriormente aplicada. Assim, após a colocação da primeira fiada (do beiral), poderão começar a colocar-se as restantes, sobrepondo-as e encaixando-as correctamente, em fiadas ascendentes e paralelas (fig. 5). Para garantir o alinhamento destas fiadas, deve-se traçar, de quatro em quatro fiadas linhas ascendentes, perpendiculares ao beirado e paralelas entre si, que irão servir de guias para o assentamento das fiadas que se vão formando. Deve-se assegurar que as telhas lusas fiquem alinhadas pelo meio dos respectivos canudos e não pelo seu bordo (fig. 6). Para aplicar telhas com a junta desencontrada, ex.: marselha, deve-se utilizar duas meias-telhas a colocar nas extremidades de cada fiada alternada.

5. VENTILAÇÃO ADEQUADA
De modo a assegurar a maior durabilidade das telhas (descrito no ponto Durabilidade, respeitante a Considerações sobre Características das Telhas Cerâmicas) e evitar condensações, é muito importante prever condições de ventilação de modo a garantir um bom comportamento termohigrométrico do corpo cerâmico. Este arejamento pretende facilitar o processo de evaporação tanto dá água da chuva que seja absorvida pela peça, bem como eventuais condensações que se formem na sua superfície interior. Por outro lado, este arejamento permite uma adaptação mais gradual do corpo cerâmico à diferença de temperaturas entre o interior e o exterior da cobertura. Assim, deve ser facultada à sua face interior uma ventilação adequada. Duma maneira geral, essa ventilação pode ser assegurada pelo uso de ripado simples de argamassa, com uma altura mínima de 5 cm, devendo-se prever a interrupção periódica das ripas (conforme a figura 8).


Fig 8

Todavia, é recomendável a interposição de contra-ripas que permitam um espaço de circulação de ar pelo menos 2,5 cm (de acordo com a figura 9). Em ambos os casos, esta ventilação deve ser sempre complementada pela aplicação de telhas de ventilação, uma vez que as folgas existentes entre os encaixes das próprias peças não são suficientes para se conseguir o caudal de ar necessário. Estas telhas de ventilação, devem ser aplicadas desencontradas, junto ao beiral e junto à cumeeira, de modo a que o ar seja obrigado a percorrer toda a cobertura e não se criem caminhos preferenciais de circulação de ar sob as telhas (fig. 10 e 11). As telhas de ventilação devem ter uma densidade mínima de 3 telhas por cada 10 m2, caso se use estrutura contínua (com Laje), e, 2 telhas por cada 10 m2, caso se use estrutura descontínua (sem Laje). Para áreas inferiores a 10 m2, devem colocar-se igualmente 3 telhas de ventilação, duas na parte inferior e uma na superior.


Fig.9


Fig. 10
A minimização da argamassa necessária para fixar as peças de
cumeeira facilita a circulação de ar através desta.


Fig. 11

Efeito pretendido com a colocação de telhas de ventilação ao longo de uma cobertura.

Em pendentes com comprimentos a partir de 8 metros, recomenda-se a aplicação de telhas de ventilação numa ou mais fiadas intermédias, aplicadas sempre desencontradas em relação às restantes localizadas nas fiadas antecedentes ou precedentes.

6. ARGAMASSAS PARA FIXAÇÃO DE PONTOS SINGULARES
Outro ponto onde deve ser prestada especial atenção é a utilização das argamassas que irão ser utilizadas para fixação de pontos singulares, como a execução de cumeeiras, rincões, beirados, e todos os restantes pontos onde se pretenda fixar peças cerâmicas. Todos estes pontos afiguram-se como zonas críticas na medida em que o uso indevido de argamassa pode pôr em causa a estanquecidade da cobertura ou mesmo a durabilidade das peças cerâmicas.
De facto, após períodos de chuva prolongados, o telhado inicia um processo de secagem, que será mais ou menos prolongado consoante a ventilação a que estiver sujeito, tanto na face interior como exterior da cobertura. No entanto, todas as peças cerâmicas em contacto com a argamassa sofrem uma humidificação prolongada pela água proveniente desta. Nestes pontos criam-se mais facilmente condições favoráveis ao desenvolvimento de microorganismos, musgos, plantas, e inclusivamente danos provocados por ciclos de gelo-degelo (em regiões com condições climáticas propícias à formação de geada, ainda que esta só ocorra durante a noite). Por outro lado, o uso excessivo de argamassa (fig. 13), ou o uso de argamassa muito forte, sendo esta um produto com um comportamento termodinâmico e higroscópico bastante distinto do comportamento do corpo cerâmico, pode provocar, a breve prazo, fissuras, fendas ou fracturas tanto na argamassa como na peça cerâmica, criando pontos de infiltração de humidade indesejáveis, difíceis e dispendiosos de resolver. Para preparação das argamassas (de preferência hidrofugadas), recomenda-se que por cada m3 de areia seca se use 200 Kg de cal hidráulica e 100 kg de cimento, ou, 300 kg de cal hidráulica por m3 de areia seca.

7. EXECUÇÃO DE CUMEEIRAS E RINÇÕES
Um erro muito comum encontrado na execução destes pontos singulares, prende-se com o recurso a quantidades excessivas de argamassa para resolver problemas de estanquecidade, fixação das peças, alinhamento de cumeeiras e rincões, ou mesmo para obter alguma contenção orçamental (ilusória) ao evitar-se a aquisição de peças específicas previstas para se reduzir ao mínimo indispensável a quantidade de argamassa necessária. Os riscos inerentes a este tipo de execuções estão bem patentes no ponto 6 - Argamassa para Fixação de Pontos Singulares. Assim, de modo a que as cumeeiras e rincões cumpram eficazmente a função a que se destinam, ou seja, impedir a penetração de água e complementar a ventilação da cobertura, deve-se sempre fazer uso dos Remates de modo a que estes, em conjunto com as respectiva telhas possam servir de "cama" para aplicação de uma tira de argamassa em ambos os lados onde o Telhão irá assentar, procedendo tal como demonstra o esquema seguinte (fig. 12).

NOTA: Na eventualidade de ser necessário cortar telhas na linha da cumeeira, para concluir o remate desta, deve-se aplicar, na extremidade da aba da telha cortada que ficará sob o Telhão, um filete em silicone ou mastique de poliuretano por exemplo (nunca argamassa), de modo a criar uma nervura que substitua as que foram eliminadas após o corte. Estes produtos (após secagem) apresentam características de elevada durabilidade, aderência e impermeabilidade, podendo ser usados também para fixação dos Remates às telhas cortadas. Em qualquer dos casos, deve prever-se sempre a maior sobreposição possível na execução da cumeeira e rincões.

8. EXECUÇÃO DE BEIRAS E BEIRADOS
Para se proceder ao assentamento dos beirais ou beirados, no que diz respeito a utilização de argamassas, deve-se agir da mesma forma que para as cumeeiras e rincões, ou seja, pouca argamassa e de preferência preparada com hidrofugante específico.
Caso se opte pela aplicação de beiral, as primeiras telhas que devem ser assentes na estrutura são as do beiral (ver ponto 4 - Assentamento das Telhas). Deve no entanto atentar-se que a ripa de apoio (denominada por filete de beira, ou, tábua de barbate), das telhas na linha de beiral, deve ter uma altura superior à altura adoptada para as outras ripas. Este acrescento à altura do filete de beiral, deve ter uma altura superior à altura adoptada para as outras ripas. Este acrescento à altura do filete de beira não deve ser inferior a 1 cm. Este trabalho deve ser feito com cuidado, especialmente se estiver prevista a utilização de Canto de Telha (conjunto de peças específicas previstas para rematar o beiral da cobertura, criando uma ligação contínua com a pendente perpendicular adjacente). Sempre que se opte pela aplicação de beirado, este deve respeitar o espaçamento lateral da telha, ou seja, a distância entre os eixos das Capas de Beirado deve ser igual à distância entre os eixos dos canudos das telhas, conforme se exemplifica no esquema seguinte (fig. 15):

De modo a evitar eventuais desalinhamentos entre ambos, é de todo conveniente apurar a respectiva bitola de espaçamento a adoptar e ensaia-la. A partir do valor de bitola confirmado, deve-se iniciar a aplicação do beirado primeiro, e só depois as telhas ascendentes, progressivamente de metro linear em metro linear, efectuando-se os eventuais ajustamentos necessários. Este trabalho deve ser efectuado com cuidado, especialmente se forem utilizados Cantos de Beirado e Cantos Reentrantes de Beirado (conjuntos de peças específicas previstas para rematar as extremidades dos beirados, criando uma ligação contínua a pendentes perpendiculares adjacentes).

NOTA IMPORTANTE: A área do beirado que deve ficar sobreposta à cornija / cimalha, não deve ser inferior a 1/3 do comprimento do beirado. Deve-se dar uma inclinação ao beirado que, dependendo da inclinação prevista para a cobertura, não deve ser inferior a 8% (cerca de 5º).

9. APLICAÇÕES DE CALEIRAS E RUFOS
Existem diversos materiais no mercado destinados à drenagem das águas da chuva. A sua colocação em obra carece de cuidados acrescidos na medida em que sobre eles irão correr as águas que caem sobre o telhado, as quais, especialmente em períodos de chuva intensa, poderão atingir caudais consideráveis que, se não acautelados, poderão infiltrar-se para o interior das coberturas, gerando problemas e danos sempre dispendiosos de corrigir. Em geral, os materiais mais comuns utilizados para este fim são os rufos metálicos ou em material sintético, auto-aderentes ou não. A sua aplicação é generalizada especialmente em pontos singulares do telhado como nos larós (ou guieiros mortos), remates de parede emergente, remates das bordas da cobertura, caleiras de beiral.
Exemplificamos a seguir os diversos pontos referidos, e a correcta aplicação dos materiais em análise:
                                          



1-Parafuso
2-Rufo metálico
3-Rufo metálico
4-Parafuso
5-Cunha de argamassa
6-Mastique


Se estiver prevista a aplicação de subtelha ou outros elementos isolantes, sob a telha, os mesmos devem prever nervuras perpendiculares à linha do beiral, que possam drenar eventuais infiltrações para o exterior da cobertura.

10. MANUTENÇÃO DOS TELHADOS
De modo a garantir que o telhado cumpra eficazmente a sua função (descrita em considerações sobre características das telhas cerâmicas), é importante que se assegure uma manutenção regular da cobertura. Na realidade, ao longo do tempo, é possível que surjam algumas telhas que desenvolvam fissuras, fendas ou fracturas, por muito boas características mecânicas que apresentem. Tal facto deve-se frequentemente à necessidade de circular sobre o telhado para se proceder à instalação de equipamentos (antenas, sistemas de ar condicionado, etc...) ou outras reparações, movimentação de cargas, queda de granizo, etc... Por outro lado, a acumulação de microorganismos, musgos, plantas e outros detritos, nas telhas e caleiras de escoamento, podem dificultar a drenagem da água das chuvas e secagem do telhado. Estes problemas são, mais tarde ou mais cedo, fonte de infiltrações. É absolutamente aconselhável efectuar uma inspecção ao telhado pelo menos de três em três anos. Esta análise deve abranger uma verificação a todas as peças cerâmicas, elementos isolantes, canais drenantes, argamassas e estrutura de suporte da cobertura. Sempre que se justifique, deve proceder-se à substituição ou reparação dos elementos danificados. Todas as peças cerâmicas e canais drenantes devem ser limpas de detritos e musgos que se possam acumular, de modo a manterem-se desobstruídos os sistemas de escoamento e secagem das águas.

11. DIFERENÇA DE TONALIDADE
Entende-se por diferença de tonalidade, a variação de tom dentro de uma mesma cor, e, por extensão, cores diferentes dentro de um mesmo fabrico. Para telhas monocromáticas, as variações de tonalidade inerentes ao processo cerâmico propriamente dito, são toleradas.
Efectivamente, durante o processo produtivo das telhas cerâmicas e respectivos acessórios, podem surgir ligeiras variações de tom, as quais, sendo naturais, podem potenciar um efeito estético bastante agradável, desde que se tomem algumas precauções. Sempre que tal se detecte, deve-se previamente misturar bem as várias telhas destinadas à obra, de modo que, aquando da sua aplicação, os diferentes tons encontrados fiquem tão dispersos quanto possível, dando ao telhado um aspecto cromaticamente bastante harmonioso.
Em alternativa, dever-se-á, tanto quanto possível, separar os diferentes tons encontrados por forma a que cada pendente receba telhas de uma só tonalidade, ou tonalidades muito semelhantes.
De qualquer forma, a própria acção dos agentes climatéricos sobre o telhado vai-lhe provocar ligeiras alterações de tonalidade ao longo do tempo.